Logo

Poluição do ar aumenta comportamento não ético e o crime

english mandarin

Fábrica criando poluição com símbolos de crime ao lado de uma flecha ascendente, significando aumento do crime. Crédito de Imagem: Katie Beukema

ANN ARBOR—As consequências da poluição do ar para a saúde são bem documentadas. Agora um crescente número de pesquisas indica que esse problema também gera outros males sociais, como taxas de criminalidade mais elevadas.

A pesquisadora da Universidade de Michigan Julia Lee e seus colaboradores exploraram as causas subjacentes que relacionam a poluição com taxas de criminalidade mais elevadas. Uma análise de longo prazo das estatísticas da poluição e criminal, juntamente com três experimentos, sugerem que a ansiedade causada pela exposição à poluição torna as pessoas mais propensas a trapaças e a comportamentos não éticos. E isso pode ser uma das causas das taxas de criminalidade elevadas em áreas mais poluídas.

"Queríamos saber o que explica essa conexão entre poluição do ar e atividades criminosas," disse Lee, professora de Administração e Organizações da Escola de Negócios Ross, da U-M. "Testamos a teoria de que o estresse e a ansiedade provocados pela poluição do ar é um fator contribuinte. Nossos resultados sustentam a afirmação de que a poluição do ar não só corrompe a saúde das pessoas, mas também pode contaminar sua moral."

Em primeiro lugar, os pesquisadores analisaram nove anos de dados de poluição atmosférica da Agência de Proteção Ambiental dos EUA e as estatísticas criminais do FBI. Eles controlaram fatores como variáveis ​​demográficas, níveis de aplicação da lei e taxas de pobreza. A análise revelou que altos níveis de poluição do ar em determinada área previram maiores incidentes de crime em quase todas as categorias.

Uma série de experiências nos Estados Unidos e na Índia encontraram uma conexão entre poluição, ansiedade e comportamento antiético. Uma vez que não é ético expor pessoas diretamente à poluição, os testes mostraram imagens de cenas da cidade poluídas ou não poluídas. Os participantes foram então convidados a descrever ou escrever sobre como eles viram essa área e refletir sobre como se sentiriam enquanto caminhavam nessa área e respiravam o ar.

As descrições escritas foram classificadas por codificadores em oito dimensões: angustiado, irritável, nervoso, assustado, entusiasmado, animado, feliz e relaxado.

Depois de descrever ou escrever seus sentimentos, os participantes do teste foram convidados a completar tarefas - supostamente não relacionadas ao assunto - com pequenas recompensas financeiras para respostas corretas ou resultados bem-sucedidos. Em um experimento, eles foram informados de uma falha que permitiu que descobrissem respostas corretas em um teste de associação de palavras. Em outro, eles receberam um jogo de dados e foram pedidos para reportarem os resultados, sendo que as maiores pontuações ganhavam mais dinheiro.

Em cada estudo, os participantes que analisaram a foto poluída apresentaram maior probabilidade de expressar ansiedade e estresse em suas descrições e de trapacear nas tarefas.

"Os resultados nos provam que existe um custo ético para a poluição do ar," disse Lee. "A poluição aumenta a ansiedade e isso leva ao comportamento antiético. É um mecanismo da ciência comportamental que pode ajudar a explicar a conexão entre poluição do ar e taxas de criminalidade maiores."

A pesquisa é uma resposta ao apelo do ex-presidente Barack Obama para o uso do conhecimento de ciência comportamental para melhor servir o público. Os estudos ligam os campos da ciência ambiental, psicologia socioecológica, criminologia e psicologia moral.

O estudo será publicado na revista Psychological Science. Entre os co-autores de Lee estão Jackson Lu e Adam Galinsky, da Universidade de Columbia e Francesca Gino, da Universidade de Harvard.

Julia Lee