Logo

Brasileiro ajuda impulsionar alguns dos projetos mais inovadores da aviação

english

Aeronave de demonstração E-Fan X, proposta pela Airbus.Aeronave de demonstração E-Fan X, proposta pela Airbus.

Ann Arbor - Formado em Engenharia Aeroespacial pela Universidade de Michigan em 2015, Sandro Salgueiro está ajudando a impulsionar alguns dos projetos mais inovadores da aviação como membro do Time X, da Airbus.

Sandro Salgueiro voa um PA-30 Twin Comanche.Sandro Salgueiro voa um PA-30 Twin Comanche.Apaixonado por aviação desde a infância, Sandro vem desenvolvendo projetos conceituais para aeronaves elétricas de ponta e helicópteros em Toulouse, França.
"Eu costumava passar muito tempo em simuladores de vôo. Quando eu tinha 16 anos, já tinha passado mais de 3.000 horas lendo manuais de aeronaves e registrando horas simuladas," disse ele.

Quando Sandro estava no ensino médio no Brasil, já queria ir para o exterior e estudar para se tornar um engenheiro aeroespacial e um piloto. "Eu não tinha um caminho específico em mente, simplesmente estava impulsionado por minha paixão pela aviação e pelo vôo,"disse. "Michigan tinha o ambiente perfeito: um programa de engenharia aeroespacial de alto nível localizado perto do Aeroporto Municipal de Ann Arbor, onde a instrução de vôo de alto nível estava disponível através da escola de vôo Michigan Flyers."

Depois de receber seu bacharelado em Engenharia Aeroespacial e licença de piloto comercial, Sandro fez mestrado no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), onde mergulhou em Otimização de Design Multidisciplinar (MDO) de aeronaves e gerenciamento de tráfego aéreo. Seu trabalho em otimizar o alcance e a resistência de um avião elétrico de dois assentos foi de encontro às atuais ambições da Airbus.

Sandro explica que um dos principais gols da Airbus é o veículo elétrico. O mais recente demonstrador proposto é o E-Fan X, um avião modificado BAe 146 [100 lugares] que mostrará que se pode alimentar uma aeronave de jato de classe megawatt usando propulsão elétrica.

"Eu também trabalhei com helicópteros, analisando as arquiteturas de aeronaves de remoção vertical e aterrissagem, que dependem exclusivamente da tecnologia da bateria para propulsão," disse. "Um dos principais desafios [do projeto de aeronaves elétricas] é que a energia específica (W-h / kg) de baterias é baixa comparada ao óleo, o que significa que essas aeronaves tendem a ser pesadas. No entanto, são completamente limpas em termos de emissões e podem ter custos operacionais mais baixos."

Como um dos 10 membros do Time X da Airbus, um grupo altamente multidisciplinar , Sandro está na linha de frente para orientar as futuras orientações de pesquisa da companhia.

Arte conceitual do veículo CityAirbus, da Airbus, um avião de quatro lugares, com decolagem e pouso vertical, que será alimentado exclusivamente por baterias.Arte conceitual do veículo CityAirbus, da Airbus, um avião de quatro lugares, com decolagem e pouso vertical, que será alimentado exclusivamente por baterias."Nossa principal responsabilidade é orientar os investimentos feitos no portfólio geral de Pesquisa e Tecnologia (R & T) da empresa," explica. "Realizamos estudos técnicos sobre problemas e conceitos que variam em todo o portfólio da Airbus, abrangendo helicópteros, naves espaciais e aviões. A Time X é responsável por desafiar o portfólio de pesquisa existente [Airbus], sugerindo um portfólio otimizado e fazendo recomendações de alocação de financiamento."

Desde que embarcou nessa jornada aeroespacial, Sandro mergulhou em uma variedade de culturas. "O Airbus é um lugar muito internacional. No meu grupo, temos pessoas de Espanha, Equador, França, Suíça, Alemanha ... Esta diversidade é realmente emocionante para mim, a sensação de que as pessoas estão dispostas a colocar as diferenças culturais de lado para trabalharem juntas e entregar produtos que ajudem toda a sociedade," disse.

"Também gosto de explorar e fazer do mundo inteiro a minha casa, ter a capacidade de me sentir confortável em qualquer lugar é uma grande coisa para mim,"explicou. "Esta experiência vem me ajudando a conseguir mais disso. Quanto mais tempo eu gasto explorando lugares desconhecidos, mais o mundo se sente como um lugar menor."

Para aqueles que procuram integrar sua carreira com colaboração internacional, Sandro incentiva a busca ativa desse objetivo.

"Em primeiro lugar, seja ambicioso. Se você tem o objetivo profissional de trabalhar no exterior, batalhe por isso ativamente," disse. "Ajuda se estiver em um ambiente internacional como Michigan, que tem um encontro de pessoas. Cultivar contatos fora do seu país e cultura pode ajudar a superar a lacuna, mas seu talento e dedicação podem te levar longe. Se pode provar que você vai entregar resultados e está disposto a inovar, as pessoas irão procurar suas ideias onde quer que você esteja."

Pensando no futuro, Sandro planeja retornar ao MIT nos próximos dois anos para completar seu doutorado. O tempo na indústria está servindo para dar mais clareza ao seu programa de Phd, ajudar na seleção de tópicos e para reafirmar a importância das forças do mercado na formação do desenvolvimento tecnológico.