Logo

Hábitos de sono das crianças interrompidos pelo uso de mídia

english espanol

Hábitos de sono das crianças interrompidos pelo uso de mídia

ANN ARBOR - As crianças em idade pré-escolar que passam mais tempo assistindo TV, jogando videogames ou usando computadores - especialmente meio escondidas antes de ir para a cama - dormem menos, podem ter depressão e ser obesas, dizem pesquisadores da Universidade de Michigan.

O aumento do uso de mídia está ligado a uma curta noite de sono e uma soneca mais longa durante o dia para as crianças da pré-escola, de acordo com um novo estudo realizado por Jessica Moorman e Kristen Harrison, do Departamento de Ciências da Comunicação da U-M.

Pesquisas anteriores indicam que crianças com idades entre 2-5 anos só devem usar os dispositivos eletrônicos cerca de uma hora por dia para garantir seu crescimento e desenvolvimento saudável. Esta orientação, no entanto, raramente é seguida. No atual estudo, o tempo diário dos pré-escolares em frente às telas foi mais que o dobro dessa recomendação.

Isso não é bom, porque o uso de eletrônicos pode estragar uma boa noite de descanso para as crianças, ameaçando sua capacidade de obter as 10-13 horas de sono que eles precisam por noite, Moorman e Harrison disseram.

O sono inadequado das crianças tem sido associado à obesidade, depressão e ansiedade, como também com o desempenho escolar fraco e baixo comportamento social, como agir ou exibir agressão contra colegas.

Os pesquisadores da U-M avaliaram o uso de TV, DVD / VCR, jogos de vídeo e computador e o uso da internet entre 278 crianças da pré-escola, com idade média de 4 anos de idade. Pais e responsáveis responderam a um questionário sobre o comportamento de sono do seu filho. Eles relataram as horas noturnas de descanso, as sonecas diárias, e o tempo de uso da mídia eletrônica.

Além de fornecer informações demográficas, os pais responderam a perguntas sobre uso 'escondido' dos eletrônicos - uma nova medida que representam a frequência com que as crianças são flagradas na frente da tela quando deveriam estar dormindo.

Em média, os entrevistados relataram que seus filhos dormem cerca de 11 horas por dia. A maior parte do uso de mídia das crianças ocorreu após a escola durante a semana, a noite antes de dormir e nos fins de semana.

Cerca de 19% das crianças tinham televisores em seu quarto e 17% tinham duas TVs no quarto. Mais de 23% tinham um DVD / VCR e 9% tinham um sistema de jogo de vídeo.

Moorman, principal autor do estudo, disse que as crianças flagradas usando mídia quando deveriam estar dormindo, descansavam menos à noite, cochilavam mais tempo durante o dia e iam mais tarde para a cama durante a semana, em comparação com o grupo de crianças que usam menos os eletrônicos.

Não surpreendentemente, as crianças com televisores em seus quartos foram 127% mais propensas a se envolver em uso 'escondido' de mídia em comparação com aqueles sem uma TV em seu quarto.

Harrison, professor de Estudos da Comunicação e co-autor da pesquisa, disse que principais usuários provavelmente têm pais que também são intensos usuários dos eletrônicos. Isto sugere que as famílias devem responder a estas preocupações com o sono como um grupo, e não apenas para as crianças mais jovens.

Conclusão: embora as crianças estejam dormindo mais de 10 horas de sono por dia, é o tempo de descanso ao longo do dia que levanta algumas razões para preocupação, disseram os pesquisadores.

"Conforme as crianças envelhecem, elas normalmente perdem a necessidade da soneca diurna, e este processo é chamado de "consolidação do sono," disse Moorman.

Isso pode ser observado nos diferentes comportamentos de sono das crianças mais novas que dormem em todas as horas do dia por longos períodos de tempo, e as crianças de 7 anos que podem passar o dia sem um cochilo, mas dormindo 10 horas seguidas durante a noite.

"Embora estas crianças possam satisfazer as horas necessárias de sono durante um período de 24 horas, uma soneca mais longa de dia sugere uma interrupção no processo de consolidação do sono da criança," disse Moorman.

Os cochilos mais longos por parte dos usuários pesados de mídia pode ser um comportamento inocente, mas pode prejudicar de forma impactante a saúde das crianças em idade pré-escolar, disseram os pesquisadores.

Os resultados aparecem na edição atual do Health Communication.