Logo

Gastadora ou tacanha? Crianças formam cedo atitudes em relação ao consumo

english espanol mandarin hindi

Menina mostra seu cofrinho e gosta de economizar. (imagem de estoque)

ANN ARBOR—Crianças, com 5 anos, já têm reações emocionais distintas em relação às despesas e à poupança de dinheiro. Estas atitudes se traduzem em comportamentos de gastos e consumo na vida real, segundo novo estudo da Universidade de Michigan.

Os resultados também sugerem que essas reações emocionais e comportamentos de gastos não foram modelados por causa dos pais.

A escala, com nome em inglês, Spendthrift-Tightwad, ou seja consumista-tacanho, tem sido utilizada para medir as reações emocionais dos adultos em relação ao gasto de dinheiro, disse Craig Smith, pesquisador do Centro de Crescimento e Desenvolvimento Humano da U-M e autor principal do estudo. Tightwad avalia a dor emocional ligada às despesas, onde os gastadores não possuem um sistema de freio emocional, tendendo a gastar demais e carregar mais dívidas.

O estudo é muito importante, principalmente nos EUA. Segundo estimativa dos economistas, apesar de ser o país mais rico do mundo, metade dos norte-americanos não se aposentará com dinheiro suficiente para manter seu estilo de vida atual.

Para desenvolver intervenções e reverter essa tendência, os pesquisadores devem entender como as pessoas formam hábitos de gastos e quando mais compram.

No estudo, os pesquisadores criaram uma escala Spendthrift-Tightwad para crianças e fizeram perguntas a 225 delas sobre gastos e economias. As crianças foram orientadas ao longo da escala com base em suas respostas e, em seguida, os pesquisadores examinaram se essas reações emocionais se traduziram em comportamento de gastos reais, quando ao final do estudo, os pesquisadores deram às crianças um dólar para gastar em brinquedos ou economizar.

As crianças, que ficaram do lado do "spendthrift" foram mais propensas a comprar, e as crianças do grupo "tightwad" mais inclinadas a economizar, disse Smith. Os pais forneceram dados independentes sobre as reações dos seus filhos a gastos e à poupança, e verificaram os auto-relatos das crianças.

"Nós mostramos que, entre as crianças de 5 e 10 anos, a resposta emocional ao gasto e à economia é um indicador útil do que você faz com seu dinheiro e que essas respostas emocionais predizem o comportamento real, mesmo depois de controlar o quanto as crianças gostaram dos itens da loja," disse Smith. Em outras palavras, mesmo que uma criança não estivesse louca por um item, elas ainda eram mais propensas a comprá-lo de qualquer maneira.

"Isso é semelhante aos adultos, na medida em que, independentemente do quanto eles gostam do item, sua orientação emocional para gastar ou economizar previu se eles gastaram ou economizaram," disse Smith.

Um número quatro vezes maior de crianças foram classificadas como econômicas do que gastadoras, o que também é válido para adultos.

Smith ficou surpreso que crianças tão jovens pudessem relatar suas respostas emocionais com precisão. "Nós não esperávamos necessariamente isso em crianças muito novas, o que levanta muitas questões de desenvolvimento. Como essas orientações se desenvolvem? Estão conectados ao temperamento, de ocorrência natural, ou são aprendidas com o comportamento modelado?"

Então, se as crianças têm pouco ou nenhum poder de compra, por que olhar para suas atitudes em relação a gastar e salvar? Porque, segundo Smith, o comportamento de gastos iniciais pode antecipar pobres decisões financeiras na vida, e é importante intervir cedo para colocar as pessoas no caminho financeiro correto.

Na última década, as aulas de alfabetização financeira em que as crianças mais novas aprendem sobre contas bancárias e poupança e o valor do dinheiro e dos bens cresceram em popularidade. Se crianças gastadoras forem identificadas precocemente, intervenções especiais poderiam ajudá-las a aprender a pensar sobre as consequências negativas de gastos excessivos.

Os pais completaram a versão adulta da escala tightwad-spendthrift e os pesquisadores não encontraram nenhuma relação significativa entre um pai e a classificação de seus filhos na escala.

O estudo "Spendthrifts and tightwads in childhood: Feelings about spending predict children's financial decision making," está programado para aparecer no Journal of Behavioral Decision Making.

Smith
Centro de Crescimento e Desenvolvimento Humano