Logo

Por que algumas pessoas obesas têm tecido gorduroso "mais saudável" do que outros?

english

Silhuetas de pessoas obesas. (imagem de estoque)

ANN ARBOR—Um paradoxo pouco compreendido no estudo da obesidade é que as pessoas com excesso de peso que conseguem quebrar mais rapidamente a gordura são menos saudáveis ​​que os colegas que armazenam sua gordura de forma mais eficaz.

Isso ocorre porque quando a gordura é quebrada, muitos dos ácidos gordurosos liberados do tecido adiposo (gordura corporal) passam a residir em outro lugar. Muito dessa gordura pode se acumular em outros tecidos e órgãos em níveis prejudiciais, e podem alimentar a resistência à insulina, uma marca registrada do diabetes tipo 2 e das doenças cardíacas.

Dois estudos da Universidade de Michigan identificam características-chave no tecido adiposo que podem permitir que alguns adultos obesos armazenem sua gordura corporal de forma mais salutar e sugere que o exercício aeróbico pode levar a esse armazenamento de gordura mais saudável, disse o pesquisador principal Jeffrey Horowitz, professor da Ciência do Movimento da Escola de Kinesiologia da U-M.

A maioria das pessoas obesas desenvolve resistência à insulina, o que pode levar ao diabetes tipo 2 e outras doenças crônicas. No entanto, Horowitz e sua equipe descobriram que cerca de um terço dos 30 adultos obesos do estudo não desenvolveram resistência à insulina.

Isso gerou a pergunta: o que protegia essas pessoas?

As amostras de tecido adiposo revelaram que o grupo mais saudável quebrava a gordura com taxas mais lentas, e eles tinham menos proteínas envolvidas na quebra de gordura e mais envolvidas no armazenamento de gordura. Eles também tiveram menos células fibróticas no tecido adiposo, o que permite que o tecido seja mais flexível e tenha menor ativação de certos caminhos inflamatórios.

"Parece contra-intuitivo, mas se conseguirmos entender melhor como armazenar a gordura de forma mais eficaz e por que algumas pessoas são melhores neste quesito que outras, talvez possamos projetar terapias e prevenções que melhorem algumas dessas condições metabólicas relacionadas à obesidade," Horowitz disse.

No segundo estudo, os pesquisadores coletaram tecido adiposo após uma sessão de exercícios aeróbicos de dois grupos de pessoas com excesso de peso: um grupo se exercitava regularmente e o outro grupo não. Para ambos os grupos, apenas uma sessão de exercício desencadeou sinais que levaram ao crescimento de novos vasos sanguíneos no tecido adiposo.

Os pesquisadores também encontraram indicações de que o grupo que fazia exercícios regulares tinha mais vasos sanguíneos em seus tecidos gordurosos do que os que não se exercitavam.

Isso é importante porque a saúde da maioria dos tecidos depende, em grande parte, do fluxo sanguíneo e dos nutrientes, disse Horowitz. Quando ganhamos peso, nossas células de gordura se expandem, mas se o fluxo de sangue para o tecido adiposo não aumenta em paralelo, pode se tornar insalubre ou mesmo necrótico.

Horowitz enfatizou que os dois estudos são relevantes principalmente para pessoas obesas em risco de doença metabólica. No entanto, há uma lição para todos.

"Nós acreditamos que o exercício regular que fazemos agora pode criar um ambiente de armazenamento de gordura mais saudável para aqueles momentos em que nós comemos demais e ganhamos peso", disse Horowitz.

Em conjunto, os estudos também apoiam a noção de que os clínicos devem redefinir a visão da gordura, disse Horowitz.

"O tecido adiposo é desprezado porque a maioria das pessoas o vê como causador de doenças e obesidade, mas, em geral, o tecido adiposo não faz com que as pessoas ganhem peso e se tornem obesas, é apenas o local onde armazenamos nossa energia extra quando comemos demais," disse Horowitz. "Nossos estudos não estão sugerindo que seja saudável ser obeso ou comer demais, mas quando consumimos demais é importante ter um lugar seguro para armazenar essa energia extra."

"Quando as pessoas obtêm a mesma quantidade de gordura corporal, aqueles com adaptações ao seu tecido adiposo que podem acomodar mais gordura extra, podem ser protegidos do desenvolvimento de resistência à insulina e doenças relacionadas à obesidade. Identificamos algumas dessas adaptações".

Os títulos em inglês dos dois estudos são: "Factors regulating subcutaneous adipose tissue storage, fibrosis, and inflammation may underlie low fatty acid mobilization in insulin-sensitive obese adults" e "Aerobic exercise elevates markers of angiogenesis and macrophage IL6 gene expression in the subcutaneous adipose tissue of overweight to obese adults."

Jeffrey Horowitz