Logo

Crioulo cabo-verdiano: DNA, dados sobre discursos revelam história da genética e evolução linguística

english

Mapa que mostra a localização de Cabo Verde. Crédito da imagem: Rei-artur via Wikimedia CommonsANN ARBOR - Uma equipe interdisciplinar de geneticistas e linguistas descobriu que a língua crioula da população de Cabo Verde, na costa noroeste da África, foi repassada ao longo de gerações, de uma forma que imita como os genes são transmitidos de pais para filhos.

Os pesquisadores - todos com ligações com a Universidade de Michigan - contribuíram para um primeiro estudo que explorou as conexões entre as características genéticas e traços linguísticos. Eles coletaram amostras de DNA da população de língua crioula, de Santiago, principal ilha em Cabo Verde, e também gravaram dados dos discursos das mesmas pessoas para estudar seus idioletos - a maneira específica e única que cada indivíduo fala uma língua.

Apesar de Cabo Verde ter o português como língua oficial, que é usado em toda a documentação oficial e administrativa, a língua mais falada é o crioulo, que mescla o português arcaico com as línguas africanas. É uma mistura de idiomas europeus e africanos que entraram em contato durante o comércio transatlântico de escravos. Linguistas sabem há muito tempo que o crioulo ainda mostra marcas das línguas africanas faladas pelos escravos que povoaram a ilha de Santiago a partir de 1461. Ao mesmo tempo, os geneticistas sabem que as relações entre populações e suas línguas têm muito em comum.

O estudo, o primeiro a olhar para ambos os genes e os idioletos dentro do mesmo conjunto de indivíduos, revela que genes e características linguísticas de origem africana foram transmitidos de forma semelhante no seio das famílias ao longo de gerações, de modo que cada cabo-verdiano retém traços da sua ascendência genética em seus idioletos.

Através da coleta de DNA dos nascidos em Santiago, que falam crioulo, e da comparação dos seus padrões de variação genética com outras populações africanas, europeias e americanas, os pesquisadores mostraram que a mistura genética em Cabo Verde reflete a história conhecida das ilhas povoadas por escravos da Senegâmbia da África Ocidental e dos colonos portugueses entre os séculos 15 e 19.

Os pesquisadores registraram dados do idioma crioulo dos mesmos indivíduos que contribuíram com dados genéticos e palavras identificadas, cujas origens eram o português ou africano, ou uma convergência de ambos. Eles tabularam as frequências das palavras aos padrões de fala e compararam a frequência total de palavras de origem africana com a proporção de ancestralidade genética africano de cada indivíduo. Eles descobriram uma correlação significativa entre a fracção de ascendência genética africana e a fracção de palavras derivadas do africano, utilizadas por um indivíduo.

Além disso, o estudo indicou que o berço dos pais foi um forte preditor dos padrões de frequência das palavras de um indivíduo, independentemente do local de nascimento do indivíduo.

"Este resultado indica que o contato com outros membros da comunidade e com fontes tais como rádio e televisão é insuficiente para erradicar os padrões de fala transmitidos de pais para filhos em Cabo Verde", disse Paul Verdu, um dos autores do estudo chumbo.

A co-autora Marlyse Baptista, professora de Linguística da UM, disse que as correlações genéticas-linguísticas observadas também podem ser explicadas por fatores socioculturais e como os indivíduos constroem sua própria identidade e maneira de falar, para refletir sua origem genética.

Os resultados aparecem na última edição da revista Current Biology.

Abstrata do estudo

Marlyse Baptista

Paul Verdu

Trevor Pemberton

Noah Rosenberg