Logo

Ativação da região do cérebro cria intenso desejo de usar cocaína

english

Os pesquisadores identificaram uma parte do cérebro que intensificou o desejo de certas recompensas, como a cocaína. Nos experimentos, os ratos tiveram que escolher entre duas recompensas de cocaína, cutucando seus narizes através de pequenos orifícios em uma parede. Crédito da imagem: Shelley WarlowOs pesquisadores identificaram uma parte do cérebro que intensificou o desejo de certas recompensas, como a cocaína. Nos experimentos, os ratos tiveram que escolher entre duas recompensas de cocaína, cutucando seus narizes através de pequenos orifícios em uma parede. Crédito da imagem: Shelley WarlowANN ARBOR - Os pesquisadores identificaram uma parte do cérebro que intensifica o desejo de algumas recompensas - neste caso, imitando o vício em cocaína.

O novo estudo da Universidade de Michigan descobriu que a ativação de uma parte da amígdala, uma região cerebral em forma de amêndoa, intensifica a motivação para consumir cocaína muito além dos níveis normais de drogas, semelhante à sua capacidade de intensificar o desejo por alimentos doces, como o açúcar.

"Isso sugere que a amígdala desempenha um papel fundamental na dependência de drogas", disse Shelley Warlow, estudante de mestrado Psicologia da U-M e autor principal do estudo.

Na dependência, as drogas se tornam o único objetivo de desejo. No entanto, muitas pessoas experimentam drogas sem se tornarem viciadas e levam vidas normais buscando um equilíbrio saudável de recompensas diferentes, ou mesmo desistindo das drogas inteiramente.

Para os viciados, as drogas se tornam tão atraentes que causam motivação intensa focada inteiramente na obtenção de drogas à custa de outras recompensas da vida normal.

"Compreender as áreas do cérebro e os mecanismos envolvidos nesta intensa motivação serão importantes no desenvolvimento de tratamentos para dependência e outros transtornos compulsivos", disse Warlow.

Os pesquisadores primeiro implantaram um cateter nos ratos, o que permitiu com que os animais consumissem doses de cocaína ao encostar o nariz em pequenos orifícios na parede.

Sempre que os ratos encostavam o nariz em um buraco em particular para consumir cocaína intravenosa, uma luz laser também ativava, sem provocar dores, os neurônios na amígdala central ao mesmo tempo. Ao encostar seu nariz em um buraco diferente, os ratos ingeriam cocaína idêntica, mas sem ativar a amígdala.

Quando conseguiam escolher livremente entre essas duas recompensas de cocaína, os ratos se concentraram apenas no porto que obtiam cocaína junto com o laser ativador de amígdala, consumiram muito mais cocaína do que ratos sem ativação da amígdala e passaram a passar pelo buraco laser-cocaína como se buscassem mais. Os ratos também se demonstraram mais dispostos a trabalhar quase três vezes mais para obter cocaína, quando comparados com a ativação da amígdala, segundo o estudo.

Os ratos pareciam ser indiferentes à ativação do laser de amígdala quando oferecido sozinho. A ativação da amígdala apenas intensificou a motivação quando a cocaína também estava presente. Em contraste, quando os pesquisadores inativaram temporariamente a amígdala usando uma infusão de drogas indolor, os ratos deixaram completamente de responder à cocaína.

O estudo aparece no Journal of Neuroscience.

Estudo

Shelley Warlow

Kent Berridge

Mike Robinson