Menu
A+ A A-

Adolescentes mais seguros com sua identidade racial têm amizades mais diversificadas

english

Adolescentes mais seguros com sua identidade racial têm amizades mais diversificadasANN ARBOR—Crianças muitas vezes procuram respostas dos pais, dos amigos e da mídia para entender melhor sua identidade racial.

Os meninos, que demonstraram se sentir mais seguros sobre sua raça durante a coleta desta pesquisa, irão provavelmente fazer amizade com pessoas mais diversas, segundo o novo estudo da Universidade de Michigan.

Os pesquisadores explicaram como a exploração da identidade étnico-racial e a aceitação/resolução podem afetar as redes de amizade entre os jovens em um ambiente diversificado, bem como seus parceiros ao longo do tempo.

A exploração expande o conhecimento do grupo. Quanto mais aprendem, mais preparados estão para encarar a sociedade, disse Deborah Rivas-Drake, professora de Psicologia e Educação da U-M.

A resolução significa ter mais clareza sobre o que é pertencer a uma raça.

"Os pais precisam abrir estas linhas de comunicação com seus filhos, se ainda não as fizeram," disse Rivas-Drake, autora do estudo. "É como sexo e drogas — você quer ser a pessoa com quem o seu filho pode conversar, fazer perguntas. Neste caso, o assunto é raça."

Cerca de 353 meninos, de diversos backgrounds, que estavam na 6 e 7 séries nas escolas do centro-oeste de Michigan, e concluíram o ensino médio na primavera de 2014, completaram a pesquisa sobre seus comportamentos ao aprender sobre sua etnia e sobre suas amizades. Seis meses e um ano depois responderam a pesquisa novamente.

Os meninos que demonstraram maior clareza sobre sua etnia ou raça tinham amigos mais diversificados no início do ano letivo seguinte e nas pesquisas de acompanhamento.

Rivas-Drake disse que ter amizades mais diversificadas pode levar a menos prejuízo, porque os adolescentes são capazes de aprender mais sobre outros grupos — além de potencialmente se sentir emocionalmente mais confortável entre eles.

Não houveram associações semelhantes para meninas, que em geral demonstraram a tendência em terem mais amizades diversas entre seus grupos.

Os pesquisadores também exploraram a extensão de quão cedo os adolescentes selecionaram amigos mais semelhantes a eles. Muitos "rebanhos" ficam unidos e seguem a linha étnica-racial como o esperado, mas eles ainda procuraram alguns amigos de outros grupos raciais, disse Rivas-Drake. Quando optarem por expandir as amizades, eles se empenharam para aprender sobre as identidades dos colegas, mais tarde naquele ano escolar.

"Desta maneira, jovens de diferentes grupos étnico-raciais têm mais possibilidades de formar novas conexões com base no compromisso compartilhado durante o processo de desenvolvimento de suas identidades," ela disse.

Rivas-Drake colaborou no estudo com Adriana Umana-Taylor e David Schaefer, ambos da Universidade Estadual do Arizona e com Michael Medina, da U-M.

Os resultados aparecem em uma seção especial da revista Child Development, que lida com a identidade étnica e racial na juventude.

Mais informações: