Menu
A+ A A-

Hackear meu carro? A maioria das pessoas acredita que pode acontecer

english mandarin

Hackear meu carro? A maioria das pessoas acredita que pode acontecerANN ARBOR—A maioria dos americanos se preocupa com o possível hackeamento de carros autônomos que podem provocar falhas, desativar o veículo de alguma forma ou até mesmo ser usado como armas por terroristas, de acordo com pesquisadores da Universidade de Michigan.

E uma grande porcentagem das pessoas estão preocupadas que estes tipos de veículos podem ser hackeados para obter acesso a dados pessoais.

No entanto, mais da metade dessas pessoas tem essas mesmas preocupações sobre a segurança cibernética em relação aos veículos convencionais, dizem Michael Sivak e Brandon Schoettle, do Instituto de Pesquisa em Transportes da U-M.

Utilizando uma pesquisa on-line com mais de 500 americanos, a equipe perguntou quão preocupados eles estão com a possibilidade de hackers conseguirem acesso aos carros autônomos privados (os modelos com controle sobre o acelerador, os freios e a direção ou aqueles sem controle desses sistemas) e veículos convencionais.

Os pesquisadores descobriram que, 76 a 88% das pessoas estão um pouco preocupadas que os automóveis auto-conduzidos possam ser invadidos por hackers para provocar falhas, desativar muitos veículos simultaneamente ou até mesmo vários veículos dos principais sistemas de gestão de tráfego. Mais de 40% dos entrevistados estão muito ou extremamente preocupados.

Mas mesmo com relação aos veículos convencionais atuais, cerca de um terço dos entrevistados estão, pelo menos, um pouco preocupados que hackers possam provocar falhas, desativar veículos, usá-los para atos de terror ou ter acesso a dados pessoais.

"O hackeamento de veículos é uma preocupação mesmo para os carros convencionais", Sivak disse. "Mas a invasão de hackers em automóveis auto-conduzidos com controles gera uma preocupação maior e invasão de carros autônomos sem controles apresenta uma preocupação ainda maior."

Os pesquisadores também descobriram que as mulheres e os idosos são os mais preocupados sobre a segurança cibernética.