Menu
A+ A A-

Medos relacionados ao estado imigratório entre latinos podem afetar tamanho de bebê ao nascer

english espanol

ANN ARBOR—Com temores de deportação e discriminação na mente de muitos nos Estados Unidos, um estudo realizado pela Universidade de Michigan mostra que o estresse causado por problemas imigratórios históricos estão associados com o baixo peso entre recém-nascidos de mães latinas e até a partos prematuros.

Os times de pesquisadores da Escola de Saúde Pública e do Instituto de Pesquisa Social da U-M descobriram que, após a batida imigratória em Postville, Iowa, em 2008, os bebês latinos nascidos nas 37 semanas após o evento tiveram um risco 24% maior de nascer abaixo do peso do que bebês nascidos no ano anterior. Houve também um aumento do risco de parto prematuro entre as mães latinas em comparação com mulheres brancas não-latinas.

"Embora acreditemos que as disparidades em saúde sejam causadas por diferenças nos comportamentos individuais de saúde ou mesmo genética, nossas descobertas implicam o impacto dos estereótipos raciais e étnicos e estressores psicossociais relacionados à saúde", disse Arline Geronimus, do Instituto de Pesquisa Social da U-M e professor da Escola de Saúde Pública.

Nicole Novak, do Instituto de Pesquisa Social e Aresha Martinez-Cardoso da Escola de Saúde Pública da U-M estão entre os autores. A pesquisa é destaque no International Journal of Epidemiology.

Em uma das maiores batidas imigratórias da história dos Estados Unidos, funcionários federais de imigração usaram táticas militares para prender 389 funcionários de uma fábrica de processamento de carne na pequena comunidade de Iowa. 98% dos detidos eram latinos, já que inicialmente todos eram suspeitos de serem imigrantes indocumentados.

"Na sequência ao ataque de imigração de Postville, as famílias latinas nascidas nos EUA e os imigrantes temiam deportações e outras batidas, e enfrentaram uma crescente marginalização econômica e social", disse Novak. "Esses fatores estressantes interviram na vida das mães latinas, tanto as nascidas nos EUA quanto as nascidas no exterior, potencialmente ativando respostas fisiológicas prejudiciais que poderiam resultar em desfechos de partos problemáticos como vimos entre seus bebês".

"Nossas descobertas lançam luz sobre o que está por vir na área de saúde em nosso país, se continuarmos neste caminho de retórica anti-imigrante e continuarmos alimentando um regime de deportação, incluindo sua implementação, criminalizando os imigrantes e usando táticas militaristas", disse Martinez-Cardoso.

Os estressores psicossociais podem afetar as mães grávidas, alterar os balanços hormonais de maneira que afetem o feto em desenvolvimento, desencadeando o nascimento prematuro, o baixo peso ao nascer e levando a restrição de crescimento. Essas consequências podem afetar até mesmo os bebês nascidos em tempo normal, além de reduzir as redes de apoio social e material que promovem a saúde da mãe durante a gravidez, disseram os pesquisadores. O baixo peso ao nascer está associado ao aumento da chance de um bebê morrer ou ter problemas de saúde e acadêmicos de longo prazo.

Os pesquisadores obtiveram todos os dados das certidões de nascimentos registradas entre 2006-10, e analisaram mais de 52.000 nascimentos de mães brancas latinas e não-latinas. Eles classificaram os bebês como expostos ao ambiente pós-batida migratória, se eles nasceram nas 37 semanas após o ataque. Aqueles que nasceram no mesmo período do ano anterior foram classificados como não expostos.

O número total de nascimentos entre as mães brancas latinas e não-latinas foi praticamente o mesmo nos períodos pré e pós-batida.

Antes da batida-imigratória, as mães brancas não-latinas e latinas tinham taxas semelhantes de bebês nascidos com baixo peso (4,7%) e bebês prematuros (7,5%). Durante o período após a batida, as taxas diminuíram para as mães brancas, continuando uma tendência nacional que começou em 2006, mas aumentou para as mães latinas.

 

Mais informação: