Menu
A+ A A-

Ciência da soneca

Multithumb found errors on this page:

Could not create image: /afs/umich.edu/group/presoff/newsinfo/Public/html/new/cache/multithumb_thumbs/b_0_0_0_00_images_2017_translations_ciencia-da-soneca-orig-20170118.jpg. Check if you have write permissions in /afs/umich.edu/group/presoff/newsinfo/Public/html/new/cache/multihumb_thumbs/

english

Despierta de una muchacha dormida que para el despertador. (Imagen de archivo)Ann Arbor - Pode chamá-lo de droga milagrosa.

Ele tem o poder de melhorar o seu humor. Pode aumentar sua concentração no trabalho. E uma dose saudável pode evitar futuras viagens à sala de emergência.

É o chamado sono, e embora ele venha gratuitamente, pelo menos 40 milhões de americanos lutam diariamente para obter o suficiente. E as conseqüências podem ser terríveis.

"O sono é uma questão de saúde pública, porque afeta tudo o que fazemos", disse Ronald Chervin, professor de Neurologia da Universidade de Michigan. "O problema é que muitas pessoas tratam o sono como última prioridade. Eles o tratam como uma esponja que pode ser infinitamente comprimida sempre que precisam de tempo para outra coisa. Isso é um equívoco total."

Cue Chervin, juntamente com outros colaboradores da U-M, estudam o sono e os efeitos nocivos causados ​​por uma falta de 'shuteye' ou 'manter os olhos fechados'.

"Passamos um terço de nossas vidas dormindo, então é raro quem não tem sequer qualquer problema com o sono", disse ele.

Chervin lidera um grupo de especialistas do Centro de Distúrbios do Sono da U-M, onde os pesquisadores estudam o sono e seu impacto na saúde humana, seus distúrbios e populações vulneráveis, como pessoas jovens, velhas, grávidas ou deprimidas.

"Temos um dos maiores e mais desenvolvidos programas de sono acadêmico nos Estados Unidos", disse Chervin. "A Universidade de Michigan tem mais de 40 professores com grande interesse de pesquisa no sono, e esses interesses abrangem quatro escolas e 15 departamentos. Vemos mais de 8.000 pacientes por ano. Temos 28 camas onde estamos realizando estudos sono todas as noites, sete dias por semana. E como nossa população continua a envelhecer, vamos ser confrontados com um grande fluxo de pessoas com distúrbios do sono. Temos uma oportunidade real aqui - em termos de número de faculdade e diversidade, população de pacientes e recursos excepcionais - para oferecer liderança internacional na pesquisa do sono".

Dias mais brilhantes à frente

Milhões de pessoas ficam olhando para o teto todas as noites enquanto lutam para dormir.
Suas atividades favoritas já não lhes trazem alegria. Pequenos problemas provocam explosões de raiva ou longos períodos de tristeza.

Tudo isso é sintoma comum de depressão, uma condição que afeta cerca de 16% dos americanos.

Os tratamentos padrões demoram muito tempo a funcionar e são apenas parcialmente bem sucedidos, por isso os cientistas continuam a procurar novas formas de aliviar os sintomas da depressão.

Uma vez que os problemas do sono são comuns na depressão, pesquisadores de todo o mundo testaram se as estratégias focadas no sono podem ter um impacto positivo na depressão.

Um achado paradoxal foi que a privação drástica do sono pode melhorar imediatamente os sintomas da depressão. Mas os sintomas geralmente retornam quando o sono chega e é permitido no dia seguinte e manter as pessoas acordadas durante toda a noite pode ter consequências perigosas.

Assim, J. Todd Arnedt adotou uma abordagem diferente e avaliou se uma forma mais modesta de privação do sono estimularia benefícios semelhantes à privação drástica do sono sem os efeitos colaterais.

O professor de Psiquiatria da U-M recrutou cerca de 70 adultos diagnosticados com depressão e forneceu medicamento antidepressivo a cada um, durante oito semanas. Metade dos participantes foi convidada a passar oito horas na cama todas as noites durante as duas primeiras semanas, enquanto a outra metade teve que passar seis horas na cama todas as noites - um corte modesto em comparação com estudos anteriores, que pediu aos participantes para ficarem acordados a noite toda, mas mesmo assim, menos descanso que a maioria das pessoas precisa na média.

"Alguns estudos anteriores analisaram formas extremas de privação do sono para a depressão, mas eu queria ver se a duração do sono durante os estágios iniciais do tratamento teve algum tipo de impacto sobre como as pessoas respondem à medicação antidepressiva", disse Arnedt, diretor do Laboratório do Sono da U-M. "O que nós encontramos é que a quantidade de sono obtida durante o tratamento da depressão importa e afeta criticamente a resposta das pessoas à sua medicação de depressão."

Ao contrário do que os estudos de privação total de sono em depressão descobriram, esse estudo revelou que os participantes que ficavam na cama por oito horas por noite - uma duração adequada de sono noturno - durante as duas primeiras semanas de tratamento antidepressivo tiveram melhora do humor maior do que aqueles que dormiram apenas seis horas por noite. E ao final de oito semanas de tratamento, 75% dos participantes que ficaram na cama por oito horas também experimentaram redução de seus sintomas de depressão. A redução da depressão também ocorreu em média uma semana antes para indivíduos deprimidos no grupo de 8 horas de sono

"É bem conhecido que demora um certo tempo antes da medicação antidepressiva funcionar, em torno de seis a oito semanas", disse Arnedt. "Qualquer coisa que possamos fazer para reduzir esse período seria um enorme benefício para milhões de pessoas que sofrem desta doença mental debilitante".