Menu
A+ A A-

Seguindo o trilho migratório

english espanol

Migrantes correm para pegar o trem quando ele desacelera em Chiapas, México. Crédito da imagem: Jason De LeónMigrantes correm para pegar o trem quando ele desacelera em Chiapas, México. Crédito da imagem: Jason De LeónCHIAPAS, México - Jason De León se inclina ligeiramente para a frente, ajusta sua câmera 35mm, uma F3 Nikon - que já registrou dias melhores - enquanto um grupo de homens encoraja o professor de Antropologia da Universidade de Michigan a tirar mais fotos.

"Hey gringo, tira uma foto disso para que seus alunos possam ver como nós, os Catrachos, fazemos! Espero que esta imagem seja publicada no seu livro", grita um dos imigrantes hondurenhos que está cruzando o México para tentar chegar aos Estados Unidos.

Logo depois, segundo De León, eles embarcariam nos trens de carga que cruzam o México, conhecidos como "La Bestia", que tiram a vida de muitas pessoas todos os anos. Por sorte, eles não escorregariam e cairiam enquanto dormiam no topo do trem, ou ainda não entrariam em apuros com a polícia de imigração mexicana, e de alguma forma conseguiriam pagar entre US $ 7.000 - $ 8.000 às gangues para chegar à fronteira. Aqueles que não tinham meios para pagar, tentavam seguir viagem a pé pela selva, onde bandidos armados e funcionários corruptos do governo aumentam os perigos da natureza.

Apenas a quatro milhas, mas um mundo longe das ruínas maias, a pequena cidade de Pakal-Na se tornou uma porta de entrada principal para os migrantes centro-americanos que tentam fazer o seu caminho para os EUA. Crédito da imagem: Jason De LeónApenas a quatro milhas, mas um mundo longe das ruínas maias, a pequena cidade de Pakal-Na se tornou uma porta de entrada principal para os migrantes centro-americanos que tentam fazer o seu caminho para os EUA. Crédito da imagem: Jason De LeónDepois de passar mais de seis anos estudando o movimento de imigrantes em situação irregular do México para os EUA através do deserto de Sonora do Arizona, De León está focando sua atenção em pessoas que fogem da violência e da pobreza na América Central para ter a oportunidade de chegar os EUA.

Sua pesquisa, diz ele, é colocar um rosto na experiência da migração e entender o processo, que é altamente politizado e pouco conhecido.

Professor de Antropologia Jason De León, nas trilhas da "The Beast", o trem de carga que muitos migrantes usam para atravessar o México, no caminho para a fronteira EUA-México. Crédito da imagem: Michael WellsProfessor de Antropologia Jason De León, nas trilhas da "The Beast", o trem de carga que muitos migrantes usam para atravessar o México, no caminho para a fronteira EUA-México. Crédito da imagem: Michael WellsPara fazer isso, De Leon se baseia em vários os campos da antropologia: na arqueologia, para estudar os objetos deixado pelos migrantes em seu caminho para o norte no deserto do Arizona; na ciência forense, para entender como os corpos daqueles que perecem na fronteira se decompõe; na linguagem, para compreender como as negociações do governo federal sobre questões de migração influenciam a opinião pública; e na etnografia, para aprender sobre as experiências dos migrantes através da observação participante.

"Passei muito tempo com os migrantes que se preparam para entrar em lugares como o deserto do Arizona e com aqueles que já foram deportados para o México", disse De León. "Intelectualmente, para mim, tudo é antropologia. Se você está procurando ferramentas de pedra ou conversando com as pessoas, se trata de aprender sobre a experiência e a condição humana."

Em 2009, De León iniciou o Projeto de Migração Indocumentada (Undocumented Migration Project), um estudo antropológico de longo prazo que busca descobrir as histórias de migração por trás de milhares de artefatos - como calçados, fotografias e outros materiais - descartados por migrantes indocumentados ao longo da fronteira. O projeto ilustra os perigos que os imigrantes enfrentam e como o programa "Prevenção à Dissuasão" do governo dos EUA, aumentou a violência sofrida pelos migrantes em sua árdua jornada, segundo ele.

Migrantes e contrabandistas se unem em torno da "A Besta" depois que o trem pára em Chiapas, México, perto da fronteira com a Guatemala. Os migrantes devem pagar um imposto de US $ 100 para os cartéis mexicanos em várias paradas ao longo do caminho, tornando a viagem muito cara e muitas vezes impossível para eles. Crédito da imagem: Jason De LeónMigrantes e contrabandistas se unem em torno da "A Besta" depois que o trem pára em Chiapas, México, perto da fronteira com a Guatemala. Os migrantes devem pagar um imposto de US $ 100 para os cartéis mexicanos em várias paradas ao longo do caminho, tornando a viagem muito cara e muitas vezes impossível para eles. Crédito da imagem: Jason De LeónPara concluir essa parte do projeto, De León publicou no ano passado "A terra dos túmulos abertos: vivendo e morrendo na trilha migratória", ou em inglês, "The Land of Open Graves: Living and Dying on the Migrant Trail, que detalha as experiências de muitos migrantes que tentam atravessar a fronteira entre os EUA e o México e as mortes de alguns dos que não tiveram êxito na travessia.

"O objetivo não foi apenas entender o que está acontecendo com todos esses tipos de violência, mas também tentar humanizar isso", disse De León. "No final do dia, toda essa pesquisa e as publicações são para dizer que as pessoas que morrem no deserto brutalmente, têm nomes, têm rostos, têm suas histórias. O objetivo é apresentar algo que não é uma narrativa simplista sobre os migrantes, mas sim contar uma história sobre as pessoas, e sobre o que acontece com as pessoas ".