Menu
A+ A A-

Quase 70% de ossatura de mastodonte da era do gelo é recuperada em Michigan

espanol english

Paleontólogo Daniel Fisher da Universidade de Michigan (com a mão esquerda no crânio do mastodonte) e sua equipe. A escavação foi em uma propriedade do Centro Fowler de Aprendizagem, na região norte de Michigan. Crédito da imagem: Levi Stroud, Michigan NewsPaleontólogo Daniel Fisher da Universidade de Michigan (com a mão esquerda no crânio do mastodonte) e sua equipe. A escavação foi em uma propriedade do Centro Fowler de Aprendizagem, na região norte de Michigan. Crédito da imagem: Levi Stroud, Michigan NewsANN ARBOR—O mais completo esqueleto de mastodonte da era do gelo foi escavado em Michigan desde os anos 1940, este mês.

Cientistas da Universidade de Michigan e professores da região de Tuscola desenterraram mais de 75 ossos completos ou quase completos, que representam entre 60-70 por cento da massa do esqueleto do mamífero extinto. Os restos foram recuperados durante a escavação de quatro dias no Centro Fowler para Aprendizagem, perto de Mayville, na região norte de Michigan.

Eles recuperaram a maioria dos ossos longos dos membros do animal, ambas as omoplatas, toda a pélvis, o crânio, muitas vértebras e a maioria das costelas. As presas, a mandíbula e a maior parte dos ossos do pé não foram encontrados.

Mastodontes são parentes extintos dos elefantes. Durante décadas, os pedaços de aproximadamente 300 mastodontes foram encontrados em Michigan. Mas menos de 10 destas espécies são tão completas quanto a recuperada em Mayville, disse o diretor do Museu de Paleontologia da U-M e líder da escavação, Daniel Fisher.

"Este é o esqueleto de mastodonte mais completo encontrado em Michigan durante muitas décadas", disse Fisher. "Acho que a última vez que um mastodonte tão completo foi encontrado em Michigan foi na década de 40. Era o mastodonte Owosso, o esqueleto de uma fêmea madura que está agora em exposição no Museu de História Natural da U-M. Pelo que me lembro, foi em torno de 80% ".

A escavação foi um projecto conjunto entre a U-M e o Centro Fowler. A equipe de escavação inclui 10 professores da região de Tuscola e estudantes universitários e de mestrado da U-M, além de membros da equipe da Escola de Paleontologia e do Museu de História Natural.

Os ossos foram doados ao Museu de Paleontologia para estudos e será nomeado como o Fowler Center Mastodon.

O mastodonte era macho, com cerca de 30 anos de idade quando morreu, baseado no estágio de desenvolvimento e desgaste do seu molar. É provável que viveu 11.000 a 13.000 anos atrás, embora a datação por radiocarbono será conduzida para especificar sua idade dentro de um século ou menos, disse Fisher.

Os ossos foram descobertos há dois anos. Estudos preliminares dos primeiros ossos sugeriram que o corpo do mastodonte poderia ter sido processados por caçadores ou outros animais que se alimentam de carne, disse Fisher. O trabalho realizado este mês suporta essa idéia, disse ele.

"Eu diria que há cerca de 80% de probabilidade de que humanos estavam envolvidos e foram responsáveis ​​por grandes porções do que vemos neste lugar", disse Fisher. "A preponderância de evidência é favorável a esta interpretação."

Alguns dos ossos foram recuperados totalmente articulados, o que significa que permaneceram nas mesmas posições em relação uns aos outros, como quando o animal estava vivo. Algumas seções articuladas foram separadas à partir de outras partes da carcaça, como se colocadas em pilhas separadas.

Equipe da U-M lidera escavação do crânio do mastodonte. Crédito da Imagem: Levi Stroud, Michigan NewsEquipe da U-M lidera escavação do crânio do mastodonte. Crédito da Imagem: Levi Stroud, Michigan NewsÉ pouco provável que este padrão se desenvolva quando um grande animal morre de causas naturais e o seu invólucro é exposto aos elementos, disse Fisher. Nesse caso, os animais carnívoros frequentemente dispersam os ossos.

Em Fowler, parece que os caçadores ou carnívoros podem ter armazenados a carne dos mastodontes no fundo de um lago que já não existe mais, disse Fisher. Os ossos foram preservados nos sedimentos das lagoas de grão fino, e se acredita que foram depositados no fim da última idade do gelo.

A atmosfera fria do fundo do tanque, e com pouco oxigênio, teria ajudado a preservar a carne do mastodonte. Fisher já investigou mais de uma dúzia desses tanques de armazenamento pré-históricos na região dos Grandes Lagos.

Em Ann Arbor, os membros da equipe de Fisher lavaram e examinaram os ossos, procurando marcas e outros títulos de carnificina humana, ou quaisquer outras alterações pós-morte. Além da datação por radiocarbono, as raízes de um dos dentes do siso do animal estão sendo examinadas usando microCT e análise de incremento de crescimento para determinar a hora da morte.

Pesquisadores da U-M e os membros do Centro Fowler decidiram convidar professores locais para fazer parte da escavação como uma maneira de compartilhar a descoberta com a comunidade. Além disso, muitos moradores se reuniram no local da escavação para observar o progresso da escavação.