Menu
A+ A A-

Pouca conversa: eletrônicos diminuem a comunicação entre crianças e pais

english espanol

As crianças assistindo desenhos animados no caderno. (Imagem)ANN ARBOR—Acontece em muitas casas. As crianças estão jogando ou assistindo algo em seus telefones celulares ou estão preocupadas com o seu programa favorito de TV quando os pais fazem uma pergunta ou pedem que façam uma tarefa. Muitas vezes, a 'interrupção' não é bem-vinda.

Essa cena não se passa apenas em casas com adolescentes, mas também com crianças do ensino infantil. Na verdade, há pouco diálogo entre mãe-filho, enquanto as crianças entre 3 e 5 estão usando eletrônicos, como televisão, vídeo games ou celulares, de acordo com um novo estudo da Universidade de Michigan.

Ao contrário de pesquisas anteriores, que se baseavam em auto relatos de pais rastreando o uso de mídia dos filhos, o atual estudo utilizou equipamentos avançados de áudio para acompanhar o ambiente na casa de 44 famílias com crianças na pré-escola e verificar como elas interagiram com seus pais em 2010 e 2011.

O estudo incluiu a gravação de quase 10 horas diárias de cada casa. As gravações documentam o formato da mídia utilizada, a duração e a comunicação entre a mãe e a criança.

A gravação de áudio indicou o momento em que o dispositivo eletrônico começava a ser utilizado, o que permitiu aos pesquisadores codificarem o uso desses meios de comunicação e transcreverem as conversas relacionadas a eles em casa. Os pesquisadores também examinaram as diferenças demográficas no uso da mídia e a comunicação mãe-filho sobre o tópico.

Os filhos de mães com pós-graduação tiveram menos exposição à mídia eletrônica do que filhos de mães com graus de ensino médio e/ou algum curso universitário, mostrou o estudo.

As crianças cujas mães tinham graus mais elevados de educação muitas vezes assistiram programas educativos. Além disso, estas mães altamente educadas demonstraram mais probabilidades em discutir sobre a mídia com seus filhos, disse Nicholas Waters, autor do estudo e especialista em pesquisa no Instituto para Pesquisa Social da U-M.

"O mais importante, filhos de mães com menor nível de educação, ou seja, sem curso universitário, foram expostos à mídia sem qualquer diálogo relacionado ao conteúdo da mídia na maioria das vezes," disse a coautora Sarah Domoff, pesquisadora do Centro para Crescimento e Desenvolvimento Humano da U-M.

Este diálogo é importante, ela disse, porque a mediação "ativa" dos pais sobre televisão e outros tipos de meios de comunicação podem atenuar os riscos associados à exposição na mídia.

As conclusões do estudo foram apresentadas em maio na conferência anual Association for Psychological Science, em Chicago.