Logo

Desenvolvimento tardio do cérebro de crianças mais pobres ligado ao baixo desempenho educacional

english espanol

Nova pesquisa encontra diferencas fisiologicas nos cerebos das crincas mais pobresANN ARBOR — A diferença entre renda e sucesso na escola tem sido bem documentada ao longo dos anos, mas uma nova pesquisa da Universidade de Michigan encontra diferenças fisiológicas nos cérebros das crianças mais pobres.

Pesquisadores da Escola de Saúde Pública da U-M, da Universidade Duke e da Universidade de Wisconsin demonstraram que crianças de famílias de baixa renda têm um desenvolvimento estrutural atípico em várias áreas críticas do cérebro, incluindo o total da massa cinzenta, o lobo frontal, o lobo temporal e o hipocampo.

Pesquisas anteriores tinham feito a conexão entre o status socioeconômico baixo e o sucesso escolar, com base na menor pontuação nos testes padronizados, nas notas e aproveitamento. Agora, parece que esta lacuna de renda-sucesso pode ser explicada pelas diferenças no desenvolvimento do cérebro das crianças de baixa renda.

"Descobrimos que as crianças de origens de baixa renda exibem diferenças estruturais em várias áreas do cérebro — áreas que são conectadas com as tarefas e parecem ser cruciais para o bom desempenho na escola," disse Nicole Hair, pesquisadora do Departamento de Gestão e Políticas de Saúde da Escola de Saúde Pública.

"Apesar de já sabermos há algum tempo que as crianças que vêm de meios desfavorecidos têm performance inferior, é realmente importante compreender estes mecanismos."
Durante um período de seis anos (2001-07), os investigadores examinaram os cérebros de 389 crianças e jovens adultos, com idades entre 4 e 22 anos. Eles analisaram 823 ressonâncias, realizando medições a cada 24 meses, com um total de três observações. A renda familiar foi dividida em nove categorias diferentes, que vão desde menos de US$ 5.000 por ano para entre US$ 100.000 e US$ 150.000 anuais

Fotos dos cérebros e testes neuro comportamental foram conduzidos. Mais de um quarto dos participantes eram de famílias com renda 200% abaixo do nível de pobreza federal. De acordo com o Departamento de Saúde e Recursos Humanos dos Estados Unidos, uma pessoa está abaixo do nível da pobreza quando recebe US$ 11.170 por ano e US$ 23.050 para uma família de quatro pessoas.

As áreas analisadas do cérebro foram aquelas que impactam coletivamente o desempenho escolar no início e o sucesso ocupacional mais tarde na vida. A região do lobo frontal é particularmente importante para o controle de atenção, inibição, regulação da emoção e aprendizagem complexa. O lobo temporal é crucial para a memória e a compreensão da linguagem. O hipocampo ajuda com o processamento de informação espacial e contextual e está ligado à função de memória a longo prazo.

Principais conclusões de suas pesquisas:
No que diz respeito ao volume da substância cinzenta, os filhos de famílias que estão 1,5 vezes abaixo do nível de pobreza federal (PFL em inglês) estão 3-4 pontos percentuais abaixo das normas de desenvolvimento para a sua idade e sexo. Isso aumenta para 7-10 percentuais para as pessoas que vivem abaixo da FPL.

Crianças que vivem 1,5 vezes abaixo da FPL marcaram de 4 a 8 pontos a menos nos testes de desempenho. Diferenças no desenvolvimento dos lobos frontais e temporais podem explicar de 15 a 20 por cento dos déficits acadêmicos das crianças de baixa renda.

"Nosso trabalho sugere que as estruturas cerebrais específicas ligadas aos processos críticos de aprendizagem e do funcionamento educacional (por exemplo, flexibilidade de atenção sustentada, planejamento e cognitiva) são vulneráveis às circunstâncias ambientais da pobreza (tais como o stress, estimulação limitada e nutrição). Se assim for, parece que o potencial das crianças para o sucesso acadêmico acaba sendo reduzido em idades jovens por estas circunstâncias", escreveram os autores no estudo publicado na atual edição da JAMA Pediatrics.

A boa notícia, disse Hair, é que o problema poderia ser revertido.

"O cérebro é maleável," ela disse. "Sabemos que ele responde a condições ambientais — positiva e negativamente — e continua a se desenvolver na idade jovem adulta. Não significa que estes resultados são predeterminados para crianças. Com intervenção, é possível alterar este link."

 

Mais informações: