Menu
A+ A A-

Vírus da herpes associado com comprometimento cognitivo

english espanol

Ilustração retratando onde o vírus herpes tipo pode permanecer dormente dentro do cérebro. Setas para os olhos e boca, após ter algumas regiões onde o vírus pode se tornar ativo. (da imagem)ANN ARBOR — Uma nova pesquisa mostra que o vírus da herpes, conhecido por produzir aftas, tem um link direto com o comprometimento cognitivo, em crianças com idades entre 12 a 16 anos.

Um novo estudo da Escola de Saúde Pública da Universidade de Michigan examinou a ligação entre dois vírus da herpes latente — vírus Herpes Simplex Tipo 1 e o Citomegalovírus (CMV) — e a deterioração mental entre pessoas que pertencem a três grupos de idade: 6-16 anos, 20-59 e mais de 60. Os pesquisadores usaram dados do National Health and Nutrition Examination Survey.

Pesquisas anteriores têm vinculado o HSV-1 com distúrbios neurológicos associados com o envelhecimento, incluindo doenças como Alzheimer e demência, mas poucos estudos têm examinado se esses patógenos podem influenciar o início da cognição cedo na vida.

"Este estudo é um primeiro passo na criação de uma associação entre estes vírus e a cognição, em toda uma gama de idade da população dos EUA," disse Allison Aiello, professora associada de Epidemiologia da Escola de Saúde Pública da U-M.

A pesquisa, publicada no The Journal of Infectious Diseases, demonstra que o HSV-1 é associado a notas inferiores em leitura e raciocínio espacial entre crianças com idades entre 12-16 anos; à velocidade prejudicada de codificação, que é a medição da velocidade visual motora e da atenção, entre adultos de meia-idade; e à perda de memória imediata em adultos mais velhos. A soropositividade do CMV também foi associada com o comprometimento na velocidade de codificação, à aprendizagem e à memória em adultos de meia-idade.

Mais de um terço da população dos EUA tem estes vírus no início da infância. Alguns indivíduos podem não ser sintomáticos.

"Se o HSV-1 começa a ter impacto na função cognitiva no início da vida, a infecção HSV-1 na infância pode ter consequências importantes para o sucesso escolar e a mobilidade social ao longo da vida," disse Amanda Simanek, ex-cientista pesquisadora assistente do Departamento de Epidemiologia da U-M e, atualmente, professora assistente de Epidemiologia na Universidade de Wisconsin-Milwaukee.

"Uma vez adquiridos, os vírus da herpes nunca são retirados do corpo e, pelo contrário, persistem em estado latente. Esses patógenos estão, no entanto, sujeitos a reativação e capazes de invadir o sistema nervoso central, onde eles podem exercer dano direto ao cérebro."

De acordo com Simanek, a reativação do vírus da herpes provoca a liberação de pro-
citocinas inflamatórias, que têm sido associadas ao comprometimento cognitivo. Citocinas são hormônios envolvidos na sinalização celular e regulação; citocinas pró-inflamatórias desempenham um papel importante na resposta imunológica à infecção e lesão tecidual. Inflamação excessiva, no entanto, tem sido associada a vários resultados de doença crônica.

Até hoje, grande parte do foco da saúde pública em torno do vírus da herpes tem sido no tratamento dos sintomas e algum, na prevenção.

"Se as futuras pesquisas continuarem a apoiar este trabalho e a identificar um caminho mecanicista definitivo, há várias implicações para as medidas preventivas de saúde pública," disse Aiello. "Por exemplo, antivirais alvos contra essas infecções podem ser recomendados assim como esforços contínuos no desenvolvimento de vacinas que miram o HSV-1 e o CMV."

"Estes vírus são muito onipresentes e reativos em resposta à exposição a estressores. Se eles são verdadeiramente prejudiciais à função cognitiva, as pessoas podem querer considerar a redução do estresse, para evitar a reativação e os possíveis danos associados a estas infecções, especialmente se eles são conhecidos por serem HSV-1 positivos, como indicado pela presença de aftas durante os momentos de estresse."

Os pesquisadores dizem que mais estudos estão garantidos para examinar os caminhos biológicos pelos quais estes vírus da herpes podem impactar comprometimento cognitivo ao longo do tempo.